segunda-feira, fevereiro 06, 2006

Dois Cavalos

Conheço bem
Dois teimosos cavalos
Sempre unidos
Sempre a puxarem
Em direcções opostas.

Quanta energia
Desprendem
Constantemente
Sem sentido…
Que distraem-me
Do essencial.

Sempre os vi assim
Um após outro
Num frenesim
Intenso
Sem pausas
Sem nadas
Mesmo quando
O mundo
Está calmo.

Já combati
Mil homens
Mas ainda
Não consegui
Acalmar os cavalos.

Jorge Moreira – Fevereiro 2006

23 comentários:

Desambientado disse...

Quem são os mais teimosos, os homens ou os cavalos?

Gostei da forma como olhas para os teus cavalos teimosos.

Uma boa semana para ti também.

Um abraço.

Félix

Pedro Melo disse...

Não desistas é de combater!!!

;)

maresia_mar disse...

gostei da forma como tentas controlar os cavalos, não é fácil essa luta, mas vale a pena. Uma boa semana

Magia disse...

A vida é isso mesmo, tentar amansar os 2 cavalos selvagens que nos avassalam os pensamentos e nos levam para lugares opostos, quando queremos seguir caminhos...Não sei se é uma metáfora, eu entendi como se fosse!!!Gostei do teus espaço!!!Encantamentos mil

maat disse...

O Caminho do Meio ...

gostei muito .

Beijinhos,

***maat

risocordetejo disse...

E afinal, até de dois cavalos em luta pode nascer a esperança. Ou o poema. O que é o mesmo.
Um abraço!

Silêncios disse...

Vim ver o que me davas hoje:))
Cavalos!
Vou dizer-te uma coisa:Os cavalos, na maioria das vezes, acalmam-se com palavras doces... aos homens...algum só com uma "marretada", porque as palavras, não chegam.
Deixo-te um abraço :))

Bitta disse...

Conheço uma fábula de dois burros que transmite a mesma ideia... como seria bom encontrar o meio termo e canalizar toda a energia nesse ponto!!! Por vezes não é fácil...

Uma boa semana também para ti.

nahar disse...

parece que o blospot tem andado com alguns problemas internos porque eu tinha lido o comentário mas desapareceu.
duas forças opostas que com muita serenidade e paciência irão caminhar no mesmo sentido.
Poe exemplo na economia do Universo o mal concorre com o bem, mas o Bem supera sempre.
abraço

Silêncios disse...

Cá venho eu, redimir-me. perdoa, de facto não apanhei o teu poema nesse sentido.Ando um pouco zangada com a raça humana, e levei o poema, numa outra direcção.Estou perdoada pela gafe? :( Espero que sim ...

Maria Costa disse...

"...Sempre unidos
Sempre a puxarem
Em direcções opostas.

Quanta energia
Desprendem
Constantemente
Sem sentido…
Que distraem-me
Do essencial..."

Então tomamos conta das rédeas, com "força" seguramo-las para que a direcção seja a mesma, a Unica, depois vêm o percurso.
Agora é a minha vez de lhe dizer uma "escrita muito mais simbólica e profunda".
Beijinhos.

DarkMorgana disse...

Também nós, seres supostamente racionais, nos comportamos muitas vezes como cavalos, viciados em dispender energia, sem sequer ver que o "essencial" passa por nós...

É urgente respirar fundo, é urgente fazermos aquelas coisas pequeninas que nos fazem sentir "nós", é urgente estar com as pessoas de quem gostamos...e dizer-lhes ou mostrar-lhe o quanto gostamos delas...

É urgente acalmar os cavalos... principalmente os "nossos"...
Um beijinho ...

Isabel José António disse...

E, cavalgando, sentiremos o prazer da viagem!
E, cavalgando, aprenderemos a alimentar o cavalo que nos interessa e a prosseguir o Caminho!

Um abraço,

José António

Isabel José António disse...

E, cavalgando, sentiremos o prazer da viagem!
E, cavalgando, aprenderemos a alimentar o cavalo que nos interessa e a prosseguir o Caminho!

Um abraço,

José António

Isabel José António disse...

Que bela metáfora da Alquimia Espiritual que nos leva, através de inúmeras lutas connosco, a superarmos as nossas "oposições" internas e a conciliarmos a energia e a aplicá-la!

Um grande abraço,

Isabel

Aran disse...

Mhmmm... cavalos de puro sangue são sempre irrequietos!!!! Conquista-os em liberdade... e como exemplo magnifico te dou uma dica: "O encantador de cavalos"... ;) beijinhos

Pharaoh disse...

muito bom, gostei e espero que esses cavalos nunca se deixem de degladiar na procura da força, para que, de um caminho que ambos sabem que percorrerão juntos, façam eles sempre nascer aos seus olhos a obra a que se propõem,,,o meu muito obrigado pela visita e pelas palavras que deixas-te,,, retribuo agora com um abraço amigo e com a promessa de que voltarei também com mais tempo, pois gostei do que aqui conosco partilhas,,, abraços e um td de bom!

Cleopatra disse...

Parece-me que é(s) os dois cavalos selvagens...

Tem dias não é??

Pois...

Mas O UNO é mesmo assim...
Para atingir a perfeição é dois
E qdo a atinge ...
os dois tornam-se UM.

Gostei!

Pink disse...

A luta interior que há em nós e nos vai levando na escolha de caminhos e trilhas umas vezes numa outras vezes noutra direcção. Nesta dialética vamos evoluindo.
Belo poema metafórico este, amigo Jorge.

Um beijo

TMara disse...

um dia vão galopar a par, na mesma direcção e sentido, felizes,orgulhosos. vais ver k vai acontecer.
Bjocas de luz e paz

Ulysses disse...

Esses cavalos nunca se acalmam, nem mesmo quando se tenta. É como dividir a divisão e esperar obter o resto. ;-)

Teresa David disse...

Nunca me interessou dessecar o conteúdo dum poema, porque sinto isso como uma violação do mais profundo de cada um, e geralmente o que pensamos sobre o que lemos tem pouco a ver com a ideia-sentimento do autor, o que não é grave, e até desafiante, mas o que gosto mesmo é de olhar para ele, e senti-lo, ou pela sua musicalidade, ou pela beleza das palavras, ou pela dança das letras. Neste encontro essa conjugação de movimento melódico, portanto, gostei bastante.E as fotos são fantásticas!
Beijos
Teresa David

Titania disse...

Nunca tinha pensado no nosso interior como essa metáfora que referes :))
Mas na verdade está muito bem representado e, se pensarmos bem, todos possuímos esses "dois cavalos" loucos, incontroláveis que teimam em impôr a sua vontade...

Beijinho