quarta-feira, outubro 12, 2005

GAIA – O Maravilhoso Planeta Vivo


Antes de mais, é importante saber que o Guê é o prefixo que designa as ciências que estudam o planeta, como a Geografia e a Geologia. Mas o G é também utilizado em palavras como Génese, Geometria, Gnose, Grande, Glória, etc. Perante este facto, e sendo esta a letra que inicia o nome que designa Deus nas mais variadas línguas, constatamos que o G tem uma enorme conotação com a divindade, que é una e engloba tudo. Porém, a Sua manifestação Gera a dualidade, uma parte constituída pela Tríada superior Espiritual - simbolicamente representada pelo círculo - a outra parte constituída pela restante matéria densa, o quaternário inferior, - também simbolicamente representada, pelo quadrado. Esta dualidade, a Tríada Imortal com o Quaternário perecível, resulta na constituição Septenária do Homem. Esta representação corresponde também à existência e manifestação dos diversos veículos do Homem, nos respectivos Planos existenciais. Consequentemente, não é por acaso que o G é a sétima letra do alfabeto e que a sua forma geométrica é composta por um semicírculo e um esquadro. Também não será certamente uma contingência a escolha, feita pelos antigos gregos, do G para iniciar a palavra Mitológica, que designa a Mãe Terra, Gaia. Nem mesmo uma irreflexão a utilização desta mesma palavra, Gaia, para baptizar a hipótese de James Lovelock, que vislumbra o planeta Terra como uma unidade viva composta pelos inúmeros sistemas físico-quimico-biológicos, um modelo surpreendente de auto-organização, não linear, global, holístico e ecologicamente sublime, onde todo o planeta Terra surge como um sistema vivo e auto-organizador. Tal facto demonstra a Sabedoria perene, ao identificar a Terra como um organismo vivo, e a unidade de toda a Vida.

1. MITOLOGIA

Gaia, Geia, Gæa, Gea são nomes que correspondem à personificação da Terra como Deusa. É a primeira divindade logo a seguir ao Caos que é a origem e a unidade. Ainda pura, tal como a Virgem Maria, Gera Urano, o Céu e Pontus, o Mar. Desta Geração forma-se uma Tríada, que representa a tripla manifestação Divina. De seguida, Gaia casa com Urano, a atmosfera, dando origem a muitos filhos; 12 Titãs, o Zodíaco; três Ciclopes Gigantes de um só olho frontal, possivelmente as primeiras Raças Raízes Humanas; e os Hecatonquiros que eram gigantes de 50 cabeças e 100 braços. Como Urano detestava os seus filhos e os tinha aprisionados, Gaia, aqui também representada pelo amor que nutria pelos seus filhos, decidiu armar um deles com uma foice, a representação da morte e da transformação. Cronos, o tempo, ofereceu-se para o difícil trabalho. Na noite seguinte, enquanto Urano se unia a Gaia, Cronos atacou-o e castrou-o; separou assim o Céu da Terra, dando origem à organização da matéria terrestre. Cronos lançou, ainda, os testículos de Urano ao Mar, fecundando-o, e deu origem à vida física no planeta. Tal como se sabe, foi a partir do mar que a vida surgiu na Terra. Esta mitologia narra ainda que algumas das gotas dos mesmos testículos caíram também sobre Gaia. E, em consequência, nasceram os descendentes que reinaram no Olimpo.
Fez-se assim ORDO AD CHAOS.

2. HIPOTSE GAIA

James Hutton é conhecido como o pai da Geologia. Numa palestra realizada para a Real Sociedade de Edimburgo, na década de 1790, disse que considerava a Terra como um super organismo, dando, como exemplos análogos, a circulação do sangue e a circulação dos elementos nutrientes da Terra. Hutton realçava, ainda, a forma como o Sol destila a água dos oceanos, para que esta torne a cair sob a forma de chuva e refresque a Terra.

Na década de 60 do Século passado, o médico bioquímico James Lovelock foi contratado pela NASA, no intuito de projectar instrumentos de análise da atmosfera e, consequentemente, para a detecção de vida em Marte. Daí surgiu a pergunta capital: “Como podemos estar certos de que o tipo de vida marciano, qualquer que ele seja, se revelará nos testes de vida baseados no tipo terrestre, que é o nosso referencial?” Esta questão, levou-o a pensar sobre a natureza da Vida e como ela poderia ser reconhecida nas suas várias possibilidades. Daí concluiu que todos os seres vivos têm de extrair matéria e energia de seu meio ambiente e descartar produtos residuais em troca. Assim, a vida deveria utilizar a atmosfera ou os oceanos, caso existam, como meio fluido de movimentação de matérias-primas e produtos residuais; pelo menos ao nível e dimensão do que se reconhece por vida (Vida), dentro de nosso actual grau de conhecimento.
Estas hipóteses foram confirmadas quando Lovelock e Dion Hitchcock começaram a realizar análises na atmosfera marciana e verificaram que todas as reacções químicas possíveis já tinham ocorrido há muito tempo, seguindo a 2ª lei da termodinâmica, a entropia, que estabelece que todos os sistemas físico-químicos fechados, tendem ao equilíbrio termoquímico ou à parada total das reacções. Ou seja, ao contrário do que ocorre na Terra, onde existem gases com forte tendência para reagirem uns com os outros, como o oxigénio e o metano; e estes existem em altas proporções em conjunto com outros gases, afastados do equilíbrio químico. Apesar de uma contínua reacção entre eles, continuam a existir em proporções constantes na atmosfera. Tal facto só será possível se existir algo que garanta o equilíbrio, um motor que movimente constantemente a circulação desses elementos. Lovelock descobriu que esse motor era a própria vida que existe na Terra, já que as plantas verdes produzem constantemente o oxigénio, e os restantes organismos formam outros gases, que vão repor as quantidades normais dos que sofrem reacções químicas. Noutras palavras, Lovelock provou que a atmosfera terrestre é um sistema aberto, afastado do equilíbrio químico, caracterizado por um fluxo constante de matéria e energia, influenciando e sendo influenciado pela vida, em perfeito bio-feedback. Perante estes factos, surgiu subitamente um insight, um lampejo, na sua mente, que o permitiu vislumbrar Gaia: “Um pensamento assustador veio a mim. A atmosfera da Terra era uma mistura extraordinária e instável de gases e, não obstante, eu sabia que a sua composição se mantinha constante ao longo de períodos de tempo muito longos. Será que a Terra não somente criou a atmosfera, mas também a regula – mantendo-a com uma composição constante, num nível que é favorável aos organismos vivos?”.
Para demonstrar esta hipótese juntou-se a Lovelock a bióloga Lynn Margulis que, juntamente com o geoquímico Lars Sillen, tinha já ideias muito interessantes acerca desta temática. O seu trabalho começou a dar frutos e constataram os seguintes factos, todos eles interligados:

Construção da hipótese Gaia

Ao relacionarem os desequilíbrios na atmosfera com o surgimento dos vegetais superiores e da vida animal, detectaram que, durante milhões de anos, o planeta foi habitado apenas por microrganismos anaeróbicos simples, que consumiam compostos orgânicos existentes nos oceanos, decompondo-os em substâncias inorgânicas simples. A proliferação destes organismos e o consequente aumento do consumo deveria criar uma situação de desequilíbrio, traduzida pela redução das quantidades dos compostos orgânicos disponíveis, ameaçando a sobrevivência dessas primeiras formas de vida. Na tentativa de se adaptarem às novas condições ambientais, alguns desses organismos evoluíram para dar origem às plantas verdes. Estas transformam substâncias inorgânicas em matéria orgânica, por meio da fotossíntese, e dão início à primeira cadeia alimentar. Mas estes seres acabam por produzir uma nova situação de desequilíbrio com o oxigénio, um veneno para todos os seres anaeróbicos. Para controlar a presença deste gás na atmosfera surgem, então, os seres que respiram oxigénio.
Hoje está cada vez mais clara a ideia de que os sistemas complexos, que formam um organismo vivo, possuem características próprias, homeostáticas e dinâmicas, enquanto conjunto. Mas essas características escapam às qualidades e atributos de cada parte constituinte separada. Ou seja, um organismo, como um todo, é algo diferente e com atributos próprios, estando para além da soma das partes fundamentais que o compõem. Como simples exemplo, no âmbito dos compostos, temos a existência de dois gases, o oxigénio e o hidrogénio, que são muito utilizados na combustão. Por conseguinte, estes gases são propícios ao elemento fogo. Quando estão unidos formam a água, um novo elemento, que possui uma característica muito peculiar, a de permitir combater o elemento que lhe deu origem, o próprio fogo.
Nos sistemas orgânicos vivos, a homeostase é a capacidade que o organismo tem de controlar a sua composição química e o seu estado físico, de forma a manter-se sempre em boas condições, mesmo quando o ambiente externo se altera. Esta é uma qualidade que apresenta características dinâmicas que superam o normal comportamento das máquinas construídas pelo homem. Nomeadamente quanto ao grau de entropia, do crescimento e do equilíbrio térmico, que leva ao desgaste constante do equipamento nas máquinas e, por consequência, ao fim da sua vida útil; mas que, ao contrário, nos seres vivos é mantido num nível mais ou menos constante.

É do conhecimento dos cientistas que o calor emitido pelo sol aumentou em cerca de vinte e cinco por cento, desde que a vida surgiu na Terra. Mas, apesar disso, a temperatura na nossa superfície tem permanecido praticamente constante, num clima favorável à vida e ao seu desenvolvimento, durante quatro biliões de anos. Perante este facto, uma questão aparece: será que a Terra é capaz de se auto-regular, de manter a temperatura estável e a salinidade dos seus oceanos, tal como ocorre nos organismos vivos? Lovelock responde a esta questão da seguinte maneira: Considere a teoria de Gaia como uma alternativa viável ao conhecimento convencional, que vê a Terra como um planeta morto, constituído por rochas, oceanos e atmosferas inanimadas e meramente, casualmente, habitado pela vida. Considere-a como um verdadeiro sistema, abrangendo toda a vida e todo o seu meio ambiente, estritamente acoplados de modo a formar uma entidade auto-reguladora”.
A sua primeira colaboradora, Lynn Margulis transcreve ainda: “A hipótese Gaia afirma que a superfície da Terra, que sempre temos considerado como o meio ambiente da vida, é ,na verdade, parte da vida….Efectivamente, a vida fabrica, modela e muda o meio ambiente ao qual se adapta. De seguida, esse mesmo meio ambiente, realimenta a vida que está a mudar, a actuar e a crescer sobre ele. Existem, portanto, interacções cíclicas, não lineares e não deterministas”.
Outro exemplo aprofundado por Lynn Margulis é sobre o dióxido de carbono. Os vulcões, os animais e plantas expelem continuamente doses maciças de dióxido de carbono, que, pelas suas características, provocam um efeito de estufa, com o consequente aquecimento do nosso planeta. Desta forma, deve haver também um mecanismo para eliminá-lo. De facto, a água da chuva e o dióxido de carbono
combinam-se com as rochas para formar carbonatos. Este processo tem algumas bactérias como catalizadores. Seguidamente as partículas de carbonatos são levadas até ao mar, onde as algas microscópicas vão utilizá-las para construir as suas conchas. As algas vão para o fundo, formando assim sedimentos calcários. Estes, por sua vez, continuam a submergir para o centro da terra, onde serão derretidos. Eventualmente, este ciclo pode voltar a acontecer, através da actividade vulcânica….
Outro facto, não menos curioso, é o aumento do trabalho das bactérias, quando detectam um aquecimento do planeta, retirando, desta forma, maiores quantidades de dióxido de carbono, o que provoca um menor efeito de estufa e, consequentemente, um arrefecimento do planeta. O contrário também se verifica.
As florestas tropicais húmidas também servem para refrescar o planeta, com a capacidade de evaporação/transpiração de enormes volumes de vapor de água, dando origem à formação de nuvens brancas reflectoras, que propiciam protecção às radiações solares.

3. CONCLUSÃO

Esta magnifica hipótese, Gaia, pode ser simultaneamente discernida a dois níveis. Um, o científico, centrado nas operações físicas, biológicas e químicas do seu corpo, envolvendo organismos e reciclagem de elementos na biosfera, de que encontramos acima alguns pequenos exemplos; o outro é ter consciência dos aspectos da Vida misteriosa e Espiritual de Gaia. Lovelock e outros seres com senso intuitivo, perceberam, perfeitamente, que a vida tem origem num nível superior, com a consciência de um denominador comum. Uma ligação directa aos mistérios de Gaia só será possível se tentarmos percepcionar a realidade e vivenciá-la ao mais alto nível; de outra forma não seria possível porque estamos inseridos em corpo e consciência nesse grande Ser. Tal facto reduz significativamente a percepção dos Seus propósitos, através de simples ou complexas análises cartesianas. Mas estas análises são úteis para desbravar a sua verdadeira natureza, pois elas fornecem-nos um suporte credível, capaz de nos levar, progressivamente, em determinadas ocasiões propícias, a termos a felicidade de vislumbrar a sua magnificência, num simples facto da vida ou da vida como um todo. Isto traduz-se pela união de Manas com Buddhi. Só assim poderemos superar toda a separatividade, de forma a que a nossa consciência possa expandir-se até à Consciência do grande Ser, que tudo abarca.
A humanidade actual tem a capacidade de ser um veículo da manifestação de Gaia, mas, como está munida de livre-arbítrio, essa mesma capacidade pode ser manipulada pelo egoísmo e pela ignorância, de forma a transformar o homem num parasita destruidor. Tal facto tem-se vindo a verificar especialmente nos dois últimos séculos, com o desenvolvimento da tecnologia que transformou abruptamente o mundo, de tal forma que os normais mecanismos de reciclagem de Gaia já não conseguem funcionar de forma a restabelecer o equilíbrio, pelo menos de forma harmoniosa. Isto deve-se ao facto de que a evolução espiritual não tem acompanhado o desenvolvimento tecnológico. Se a humanidade continuar neste caminho, a catástrofe pode aproximar-se. Cabe a cada um de nós ter consciência deste facto, dos nossos actos, bem como do magnífico trabalho que Gaia desempenhou até chegar a nós. Mas o homem não será certamente a última razão de Gaia. E, como tal, só um convívio harmonioso com os outros Reinos da Natureza permitirá que o processo evolutivo possa continuar. Só assim conseguiremos sobreviver e evoluir, inseridos na diversidade, como o demonstram os novos modelos ecológicos. À medida que aumenta a diversidade, aumenta também a estabilidade e a resiliência.
O Teósofo deve escolher ser um veículo da Manifestação de Gaia. Por conseguinte, só com o exemplo pessoal, alicerçado no discernimento, na espiritualidade e na ética é que cada um de nós poderá contribuir para um mundo melhor e perfilhar os propósitos de Gaia.

Revista Osíris nº 3, Jorge Moreira, Junho 2004

2 comentários:

Ambientalistas da Amadora disse...

Sugiro uma visita ao blog Ambientalistas da Amadora

http://ambientalistasdaamadora.blogspot.com/

Considerem colocar um link a este blog.

Obrigada.

maat disse...

muito, muito interessante mesmo.
Basta pegar neste texto "Ou seja, um organismo, como um todo, é algo diferente e com atributos próprios, estando para além da soma das partes fundamentais que o compõem."- sobre esta ideia tenho um trabalho om fundamentação matemática.
Depois envio.

TBF,

***maat