terça-feira, janeiro 24, 2006

Folhas

Que beleza
Emana
Das folhas
Vestirem-se
De dourado, chama, terra
Mergulharem
No mar, no vento
Qual bailado sinfónico
Que homenageia a Vida
E adormecerem
Suavemente
Na coberta
Que protege
A delicada Criança.

Jorge Moreira – Janeiro 2005
Este poema foi editado no Blog Circulo de Poesia

18 comentários:

wind disse...

Obrigada pela visita:) É bonito o teu poema;)

Isabel José António disse...

Belíssimo instantâneo em que se vêm as cores outonais em todo o seu esplendor, rodopiando e "adormecendo" sobre a coberta da Criança!

Às vezes, o melhor da palavra é a espontaneidade com que surge, quanse que "pintando a vida"! Ou não fosses tu um fotógrafo excepcional!

Isabel e José António

lena disse...

gostei de te ver na minha cabana
gostei do que partilhas aqui
e encantei-me com o teu poema, senti a suavidade dos teus versos,
imaginei as folhas douradas e mergulhei o meu olhar no mar, encontrei a criança dlicada

bonito poema!

beijinhos meus

lena

☆Fanny☆ disse...

Engraçado...nestes meus passeios pelos blog de amigos, sempre te encontrei. E foram tantos os encontros que não resisti a visitar o teu recanto! Entrei sem pedir licença...e gostei do que senti!

Um abraço*

Fanny

maat disse...

tão leve como o vento e profundo como o outono.

TBF
***maat

Desambientado disse...

Li automaticamente o poema como se fosse uma folha de desce balouçando no ar, rodopiando, dançando, e fui-me apercebendo, que era exactamente isso: uma poema que fala de suavidade e ingenuidade.

Pedro Melo disse...

Parabens, mais uma bela "imagem" qu nos deixas! Muito bem, gostei!!!

;)

joao firmino disse...

A delicada criança que adormece suavemente e emana das folhas serás tu?
Um grande abraço,
João

TMara disse...

e no bailadao das folhas/
e dos dentes de leão,/
rodopiando/
no quente vento/
do fim de tarde/
de verão,/
voei,/
rodopiei,/
fui folha, fui ar/
e, para me iludir/
disse:/
sonhei.

Bjocas de luz e paz

Ana Paula disse...

Não seremos todos como folhas da Arvore da Vida?Bjs e PARABÉNS!

Teresa David disse...

Escolhi aqui o seu blog para lhe mandar um forte abraço de parabéns, e agradecer as suas palavras. Que passe um dia com alegria e tudo o que mais amar na vida.
E já agora gosto da delicadeza dos seus trabalhos.
Beijos
Teresa David

vero disse...

Olá Jorge, infelizmente este meu trabalho todo é em vão pois "ele" não tem acesso ... mas sabes? Já vejo uma pequena luz no fundo do túnel... em vez de me olhar com raiva, ou sei lá...em vez de fugir de mim como fazia...agora vem ao meu encontro, muito sibtilmente, aparece onde estou e fica a observar-me discretamente...com um olhar, mais meigo, mais carinhoso...percebes? Agora faz questão de se mostrar e andar por perto sempre k pode...axo k é um bom "sinal"...o k axas?
Beijinhos***

Pedro Melo disse...

Este post é só para:


Parabéns! Até já !)

vero disse...

Isso eu não posso fazer Jorge, pk ele é segurança de bares e discotecas...sabes, como é...deixar c os amigos dele? Nem pensar!!! Podia haver comentários...enfim...axo k vou esperando pacientemente...agora nao faço nada...ele que demonstre tb algo, não axas? Ele sabe onde me encontrar e tem aparecido sempre k pode antes de ir fazer segurança e isso p mim tem-me dado um grande animo... :)

Fabio Frohwein disse...

Cheguei até você por meio do Círculo de Poesia, através do qual pude também conhecer outros cultores da boa literatura. Sou novo aqui no blogger e estou muito satisfeito de encontrar tantas pessoas interessantes. Voltarei para ler com mais calma o blog todo. Um grande abraço!

MacLord disse...

Obrigado pelo comentário deixado no meu "cantinho"!

Folhas que mais não são do que a nossa existência que se nos apresenta aos nossos olhos todos os dias.

Folhas que navegam pelo vento que o pensamento solta e nos permite cavalgar pelo Universo no dorso de um unicórnio azul.

BB
)O(

Pink disse...

Bonito poema às folhas que nos fazes "ver" em tons outonais metafóricos.

Um beijinho

mjfigueira disse...

Interessante que também senti ao leer o poema, algo antes referido. Uma folha solta ao vento que se encontra livre no espaço. Obrigado por essa sensação de prazer.

Beijinho
Maria João